deves tornar-te fotógrafo profissional?

É uma pergunta que para quem segura uma camera em algum momento costuma fazer. Mas como saber se uma vida na fotografia é ideal para ti? Como tu e eu não nos conhecemos, não conheço a tua personalidade e não conheço o teu trabalho, direi que não posso responder com certeza se deves tornar-te fotógrafo profissional ou não. Mesmo se o fizesse, a decisão do que é certo para ti só pode ser feita por ti e apenas por ti. Como fotógrafo profissional desde 2014, há perguntas que podes fazer a ti mesmo para tomares uma melhor decisão.

Deves tornar-te fotografo profissional?

Tens auto-motivação?

Vida de artista é completamente diferente de qualquer outra profissão. Não é uma profissão em que acordas, tomas o pequeno-almoço, vais trabalhar e depois passas o dia a arrependeres-te e a desejar ter outro emprego. Ser um artista é uma maratona de auto-motivar-se continuamente, planear novos projectos diariamente e, em seguida, passares quase todas as horas do dia colocando esses planos em acção. Se falhares, não há ninguém para gritar contigo. Nunca serás demitido. Ninguém vai diminuir o teu salário por chegares tarde ao trabalho.

Tens que ser o tipo de pessoa que se levanta da cama, trabalha duro por puro princípio e aplica auto-disciplina nas suas acções diárias. Ninguém estará lá para empurrar-te, excepto tu mesmo. Tens que saber se és o tipo de pessoa que precisa de ser empurrado ou se és capaz de dar o empurrão a ti próprio

Adoras o mundo do negócio como adoras o mundo da fotografia?

Provavelmente já ouviste o suficiente, mas se queres ser um fotógrafo profissional, lembra-te que não és apenas um artista, mas também um empresário. Mesmo que tenhas sucesso, é mais do que habitual que a maior parte da tua vida não seja fotografar, mas muito mais provável que o teu trabalho seja gasto em marketing, obtenção de clientes, gerir de custos de produção, facturação e tudo o resto necessário para gerir um negócio.

Tens que adorar a parte do negócio como a parte da fotografia para sustentares-te e continuares a fazer o que mais adoras. Sem dúvida, a alegria de criar foto é o “porquê” da equação. Mas as práticas comerciais consistentes são o “como” podes passar de fotografar para divertires-te a fotografar para ganhar a vida.

Quase todo mundo que se apaixona pela fotografia, sonha em viajar para locais incríveis e tirar fotos incríveis e receber por isso, mas a realidade às vezes pode ser muito mais difícil. Acordar a meio da noite para preencher papelada, enviar e-mails, fazer uma análise de custo-benefício e decidir se o ganho é ideal ou não para concretizar o objectivo de negócio específico e atingir a meta fiscal.

Se adoras fazer negócios tanto quanto adoras fotografar, a vida de fotógrafo profissional pode ser a ideal para ti. Mas se preferes que a fotografia seja apenas sobre imagens, podes então considerar uma parceria com alguém que é bom no lado dos negócios ou talvez colocar a fotografia como um passatempo.

Deves tornar-te fotografo profissional?

Concordas em partilhar a criatividade?

Parte de ser um fotógrafo profissional é seguir a longa e árdua jornada interna de definir a sua voz criativa, aprender o triângulo de exposição e como usar a camera e a luz artificial ou natural. Mas fazer o trabalho psicológico para entender a si mesmo e como isso afecta o teu trabalho é o que te diferenciará da concorrência. Chegar a um ponto em que sabes exactamente o que significa uma fotografia. O mundo identifica claramente as tuas fotos dos outros fotógrafos, sem a necessidade de olhar para a legenda.

Então chega o dia em que o cliente diz-te para mudar a iluminação para expor um objecto de uma forma que não considerarias para fotografar. A mudança na iluminação resulta previsivelmente no que sentes ser uma foto horrível. Óbvio, que não tens escolha a não ser fazer o que o cliente está pedindo.

Quanto maior as produções, maior se torna o problema, porque o número de opiniões que tens que considerar aumenta. Foste contratado pela tua criatividade, mas espera teres que partilhar a tua opinião com a equipa. Como fotógrafo comercial, fazes parte da equipa. Não estás sozinho.

Fotografar para ti mesmo e fotografar para um cliente é completamente diferente. Na fotografia comercial, como em qualquer outro negócio, o cliente tem sempre razão. Pode até ser frustrante para ti teres que dar a visão deles. Podes argumentar para que a tua visão prevaleça. Mas, no final, é o cliente que te paga.

Existe, como é lógico, excepções. Se estás fotografando de forma independente, o cliente opta por comprar ou não o resultado final. Então estás em posição de julgar a ti mesmo. Se estás fotografando campanhas, conteúdo editorial ou para ganhos pessoais, então tens que ter em mente que a foto tem que servir a alguém.

sentes-te à vontade com a instabilidade financeira?

Lembra-te do seguinte, não importa o quão bem estás a tornar-te como fotógrafo, pois todo fotógrafo acabará por cair um dia. Isso não faz de ti um mau fotógrafo, mas o mercado tem altos e baixos e até mesmo os melhores fotógrafos do mundo não têm necessariamente trabalho o tempo todo.

Quanto maior se tornam os teus trabalhos fotográficos, mais esporádicos eles são. Podes ser capaz de fotografar consistentemente X número de sessões fotográficas por semana, mas é improvável que fotografes várias campanhas publicitárias todas as semanas. A receita depende do tipo e modelo de negócio da fotografia que escolheres. E enfrentarás muitas mais incertezas do que se tivesses escolhido um emprego tradicional das oito às cinco, onde sabes exactamente de onde virá o teu salário a cada mês.

Tens habilidade financeira para enfrentar o desconhecido?

Falando sobre risco, porque as palavras “certeza” e “vida nas artes” raramente se encaixam na mesma frase. É importante que saibas equilibrar as tuas finanças como equilibras uma camera. Um planeamento financeiro sólido é essencial para enfrentar os altos e baixos previsíveis e imprevisíveis nas receitas.

2020 é um excelente exemplo. A súbita paralisação da produção em toda a linha, lembra a importância de ter um fundo financeiro. Mas, com pandemia ou sem pandemia, ter um bom plano para lidar com as receitas e despesas é a chave para te manteres no mercado de qualquer maneira. Ter um plano de como continuarás a encher o bolso durante os meses magros, especialmente se estiveres começando, pode ser a diferença para um negócio de sucesso.

Ser ou não ser um bom fotógrafo não deve ser o factor determinante para ser ou não ser fotógrafo. Ser extremamente bom com uma camera é a expectativa mínima para teres sucesso como fotógrafo. Mas só porque és extremamente bom, não significa que precisas ser um fotógrafo profissional. É perfeitamente normal manter um emprego diário ou um trabalho que adoras e deixar a fotografia para o tempo livre.

Mas se estás realmente decidido a transformar o teu amor pela fotografia em um negócio, pára um momento para considerar as questões acima e definires o teu próprio plano para criar a vida que desejas e a vida que esperas alcançar.